terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Reflexo de uma alma...


Estou aqui sentada a olhar para o azul do céu, vejo as nuvens brancas a passar mesmo sobre a minha cabeça, sinto o calor do sol, o vento a bater-me na cara e ouço vozes bem longe de mim não consigo perceber o que dizem mas também o que importa isso, as vozes que tenho na cabeça deixam me surda são palavras de revolta, raiva, ódio medo são palavras que não me saem da cabeça por mais que tente não saem. Há uma nuvem que tapa o sol por momentos, deixo de sentir o calor do sol, o vento para de soprar e as vozes calam se fica apenas o silêncio e aquelas palavras na minha cabeça, não aguento mais aquelas palavras que se repetem vezes sem conta uma atrás da outra estou a ficar louca não aguento mais tenho de gritar, tenho de deitar cá para fora toda esta loucura que me consome por dentro que me mata lentamente e dolorosamente…

Será que chegou o fim?

Sim, certamente que sim não tenho mais forças para reagir, não tenho mais forças para renascer das cinzas não tenho mais forças para nada. Todos os dias quando me levanto e me olho ao espelho aquela pessoa cujo reflexo ali está não sou eu, mas sim um morto /vivo de cara pálida, olheiras salientes, rosto magro, olhar triste meio perdido diria eu, mas ao mesmo tempo um olhar de quem tem medo e ódio de tudo isto, ódio da sua vida do que se passa dentro dele. E medo, medo de perder alguém, alguém que ama sem saber muito bem o que é amar mas que tem a certeza que ama.


Que posso eu dizer aquele reflexo?


Vai deixa-me sozinha, quero estar só vai deixa me não me sigas mais, Ou dá-me a tua mão eu ajudo-te, eu guio-te nesta estrada sem fim, não tenhas medo eu estou aqui contigo não te vou deixar mesmo sem saber quem és, EU AJUDO-TE…
--
(escrito a algum tempo...)

4 comentários:

Anónimo disse...

aiii lilia este texto fez-me chorar. és má...

o texto é o melhor!! mzm

és tonta

amt bébe


és a minha gaja(L)




óscar

A lés de mim disse...

Antes acreditava que não eramos mais do que aquilo que os outros vêem em nós, hoje sei que podemos ser aquilo que quisermos!

beijinhas

Anónimo disse...

Será que entenderei mal, ao comentar este teu pensamento… parece um pouco hipérbole. A respeito do amor… Tinha um escritor que dizia, "Temos, há muito tempo, guardado dentro de nós um silêncio bastante parecido com estupidez". Ou seja, do que nós adiantem esconder, pois quem perde somos nós. Medo?! Do que? Tal como a minha frase citada no mensageiro. Só nos compreendemos resistindo-nos.

uma utopia :D

A lés de mim disse...

Dá uma saltada no estáminé, temos uma coisa para ti

beijinhas